Julie & Julia

Julie & Julia é sem dúvida o melhor filme que já assisti sobre gastronomia, muito inspirador, mostra que o principal ingrediente de uma cozinha é a paixão.

    

Julie & Julia começa com uma cena emblemática, um episódio que marcaria de forma incontornável a vida de Julia Child(1912-2004). Ao desembarcar em Rouen, com destino a Paris, no final dos anos 40, Julia (Meryl Streep) tem sua primeira refeição em solo francês: um linguado tão espetacularmente bem preparado, tão cheio de manteiga, que quase a levou às lágrimas. 

Do outro lado do Atlântico, décadas depois, Julie Powell (Amy Adams) tem um emprego monótono, um marido carinhoso (Chris Messina) e uma vida tão sem sobressaltos que chega a ser exasperante. Profundamente entediada e desesperada para fazer algo diferente ela cria um blog batizado de Julie/Julia Project – na vida real, inaugurado em 2003. 

 

Para levar a cabo o projeto, ela se dispôs a preparar as 524 receitas de Mastering the Art of French Cooking, a bíblia da comida francesa traduzida às donas de casa americanas por Julia Child, e registrar no blog suas impressões. 

Escrito e dirigido por Nora Ephron, uma das grandes sacadas do filme é justamente entrelaçar a história de Julia e Julie, apesar do tempo que as separa na realidade. A parte de Julia foi inspirada no livro de memórias My Life in France; a de Julie no livro Julie & Julia que começou como o blog citado aí em cima, em que a autora narra parte de sua vida, as delícias e os fracassos de tentar reproduzir alguns clássicos da gastronomia francesa, das receitas mais simples às mais trabalhosas, numa cozinha minúscula no Brooklyn. 

O filme intercala a vida de Julia na França e a descoberta do que ela realmente gostava de fazer na vida, comer e cozinhar, com os percalços iniciais até chegar ao sucesso do blog de Julie nos Estados Unidos. 

Bem resolvido e bastante divertido, Julie & Julia deve agradar muito marmanjo, graças ao roteiro de ótima estrutura narrativa. De fato, uma das grandes qualidades do filme está no roteiro e na forma como foi possível equilibrar uma história mais rica e atuação igualmente mais empolgante, a de Julia/Meryl, com outra mais banal, com atuação apenas correta. 

Embora Amy Adams tenha dado vida a uma Julie mais doce que a da vida real, Meryl Streep está impressionante. Ela conseguiu captar a essência da grandalhona de quase 1,90m de altura e voz de personagem de desenho animado – quem duvida pode tirar a prova em alguns dos episódios de The French Chef, programa de culinária da década de 60 estrelado pela Julia Child real, disponíveis no YouTube

 



Deixe o seu comentário



facebook

Google mais pintrest